Tuesday, April 28, 2015

Palmas para Romero Britto, Paulo Coelho e Humberto Gessinger.


Qual a sua opinião a respeito das personalidades acima? Talvez você goste de um ou de outro, talvez sejam indiferentes para a sua vida ou talvez você odeie todos eles. Se você se enquadrou na última opção, quero convidá-lo para uma reflexão. Outra pergunta: na sua opinião, eles não são bons, não são bons pra você ou não são pra você?

Partindo do pressuposto de que eles são desprovidos de talento como muitos rotulam, aí vai um alerta. Embora pareça óbvio, ser meia-boca não tem nada a ver com ser desleal, desonesto ou ilegal. Admirá-los, muito menos.

É verdade que há injustiças no mundo. Em todas as áreas profissionais e nas manifestações artísticas, são inúmeros os exemplos de gênios que não têm seu talento reconhecido e, por outro lado, de pessoas medianas que alcançam o sucesso além da conta. Mas seria este sucesso além do merecido? A resposta é não. Porque o sucesso não está exclusivamente ligado ao talento. Sucesso está relacionado a um conjunto de fatores. Não é por nada que diversos gênios morreram pobres (Garrincha e Mozart, só para citar alguns), seja pela falta de habilidade para administrar finanças, seja pela falta de inteligência social. Seguindo o mesmo raciocínio, há pessoas com talento mediano para a arte, porém altamente habilidosos para os negócios ou relações pessoais. E eu os aplaudo de pé. 

Gostando ou não de suas obras, Romero Britto é o artista plástico brasileiro com o trabalho mais difundido no mundo atualmente; Paulo Coelho é o escritor brasileiro cujas obras já foram traduzidas para cerca de 70 idiomas; Humberto Gessinger é o músico gaúcho que mais emplacou hits na história do pop rock nacional. E, até onde eu sei, todos eles chegaram a esse patamar sem trapacear, sem corromper, sem passar a perna em ninguém. Por puro mérito. Logo, não há motivos para odiá-los.

Vamos combinar, existem coisas melhores (ou piores?) para direcionarmos nossa indignação. Preconceito, desigualdade, falta de educação, violência, crimes ambientais e por aí vai. Aos bem-intencionados, sejam eles gênios, medianos ou medíocres, desejo todo o sucesso do mundo.