Thursday, August 02, 2007

Para compensar a longa data sem postar, aí vai um conto.

O VELHO CHICO
Combinei de encontrar Francisco na livraria, como sempre. Eu já tinha folheado um livro daqueles bem grossos de anatomia humana, pois eu tinha sido pontual e Francisco estava muito atrasado, como sempre. Mas fiquei tão fascinado com o livro, que nem vi o tempo passar. Que belas ilustrações. Músculos, tendões, órgãos, ossos, tecidos. Camadas de tecidos. Pensei comigo mesmo: conheço mais a anatomia de um peixe do que a minha. Decidi que ia procurar um livro de anatomia humana em sebos, com a esperança de encontrar um exemplar por, quem sabe, um quarto do preço.

Enquanto eu começava a folhear o segundo livro, um de arquitetura em madeira, vi um vulto adentrar à livraria. Alto e gordo, como o Francisco. Levantei os olhos por sobre o livro e lá estava ele. Mas, espera. Era o Francisco com cara de velho? Ou seria o irmão mais velho dele? Se bem que esse que entrou parecia inclusive mais velho que seu irmão mais velho. Porque assim, o Francisco deve ter entre 25 e 30 anos. Mas esse cara que entrou, com a cara idêntica à dele, deve ter no mínimo 20 anos a mais. Enfim, se ele vier, vou ter que cumprimentar. Mas devo comentar sobre a idade ou não?

- E ai, vamos almoçar?

- Vamos, tô morrendo de fome.

- Demorei, né? Desculpa, o trânsito tá foda.

- É, demorou. Demorou ANOS. Já li um livro de anatomia de 500 páginas e tava na metade desse aqui de arquitetura, 300 páginas.

- Onde vai ser? No de sempre?

- Pode ser, há ANOS que eu como aquela massa. Não vai ser hoje que eu vou mudar.

- Mas me conta. Como estão as coisas?

- Eu é que te pergunto. (pausa, olhando para os cabelos grisalhos) Até parece que ENVELHECEU. Muito stress lá naquela birosca?

- O stress de sempre. Mas já acostumei.

- Sim. Tu tá lá há ANOS né, hehe.

- Não, eu entrei faz o que...2 ou 3 meses.

- ...que valeram por ANOS, pelo visto! (olhando fixamente para o pullover de tiozão que Francisco vestia)

Nisso, chegou o rapaz com os pedidos. Pesto pra mim, Bolonhesa pra ele. Coca-cola para ambos. Ao que o “seu Francisco” reclamou para o garçom:

- Eieiei. Eu não pedi gelo e limão. Eu posso tomar só Coca ou não é mais permitido?

- Desculpa, senhor. Já trago outro copo.

Fui obrigado a reprimi-lo, já aproveitando a deixa para tocar mais uma vez no assunto “idade”.

- Cara, pára de reclamar. Tu tá parecendo um VELHO ranzinza. Só reclama!

Conversa vai, conversa vem, e nada do Francisco dar uma pista do que tinha acontecido com ele. Como o cara envelheceu 20 anos de repente? Como? Foi abduzido por ETs do planeta dos velhinhos? Foi fazer uma figuração no remake de Cocoon e esqueceu de tirar a maquiagem? Caras, eu não sabia mais o que fazer. Já começava a ficar agoniado com aquele senhor que insistia em dizer que era meu amigo.

Simulei um desarranjo intestinal repentino e me levantei às pressas em direção ao banheiro. Fui ao mictório e comecei a mijar, na esperança de acordar daquele sonho. Porque quando a gente sonha que está com vontade de mijar, é só começar a mijar no sonho que a gente acorda – a tempo de levantar e ir ao banheiro. Ok, quando criança eu acordava todo molhado mesmo. Mas enfim, nem isso deu certo. Não era um sonho.

Fui até a pia e lavei bem o rosto, lavei até os olhos, achando que isso fosse fazer com que eu voltasse a enxergar as coisas como antes.

Levantei o rosto, procurei uma toalha de papel e, quando me olho no espelho, noto que também estou cerca de 20 anos mais velho. E ainda sou obrigado a ouvir o comentário de um maloqueirinho adolescente:

- Aí tio, dando um trato na lata hein?

2 comments:

Mi said...

Keeei...
Como foi que você envelheceu tanto??? hehehe.
Saudades, guri! Beijos, Mi Furuta.

keigiro said...

pois é, nem eu acreditei. tô com cara de tiozão!