Monday, August 20, 2007

CAUSO AÉREO
- Poltrona 28D, ok?
- Janela ou corredor?
- É a do meio, senhor.
Pensou em pedir para trocar, mas àquela altura, a poucos minutos do embarque, já não haveria outros assentos disponíveis. Quem mandou ficar 5 minutos a mais na cama, 10 minutos a mais no banho e 8 minutos a mais no banheiro? Salvo o último caso, que é o intestino quem manda, para os demais, ele aprendeu que aqueles minutos valiam muito na hora de fazer o check-in.

Valiam uma poltrona na janelinha ou, pelo menos, no corredor, pertinho das belas comissárias em seus uniformes impecáveis, coques no cabelo deixando suas nucas de fora e outros detalhes que despertavam sua libido. E assim ele se distraía nos instantes que antecediam a decolagem. Era uma das poucas pessoas que prestava atenção em todas as explicações dos procedimentos de emergência. Já sabia todo o texto, em português, espanhol e inglês.
- Caso você não se sinta apto a realizar este procedimento....
- ...avise um dos comissários (completava ele, falando baixinho, como alguém que acompanha uma música).

Talvez isso tudo nem fosse só pelo fato de ele se sentir atraído pelas aeromoças, mas também porque realmente tinha medo de voar. Era só ouvir o barulho da turbina aumentar, que já começava a suar as mãos.

Pediu licença para uma senhora gorda (aparentemente uma professora de faculdade) e sentou-se em seu lugar. Na poltrona junto à janela, um senhor de meia idade, vestindo calça jeans e pullover marrom (aparentemente, um representante comercial). Deu bom dia a ambos e ficou ali, prestando atenção nas instruções.

Devagarinho, a aeronave começou a se dirigir para a pista. Apontou na cabeceira da pista e ali ficou aguardando a liberação da torre de controle.
Não suportando tamanho nervosismo, pediu para que seus vizinhos de poltrona lhe dessem as mãos que, prontamente, seguraram aquelas mãos suadas.

Mas, ao contrário do que se esperava, em determinado momento, seu nervosismo só aumentava. Ele estava num beco sem saída. Numa sinuca de bico. Sem que tivesse outra opção, teve que gritar para chamar uma das comissárias, que estava lá na frente.
- Moça, me ajuda!!!
A aeromoça, apavorada, veio rapidamente até a fileira 28.
- Pois não, senhor?
Ao que ele, segurando seus vizinhos de poltrona com as duas mãos suadas, pede:
- Faz o sinal da cruz pra mim?

3 comments:

franco said...

Segunda feira, dez pras onze da manhã. E o diretor de arte se fudendo.

keigiro said...

o melhor é q todo mundo me vê escrevendo e acha que eu tô trabalhando a fu.

Mi Furuta said...

Eu sim, tô trabalhando a fu, mas sempre dou uma passadinha aqui pra ver se tem coisa nova... Ah! Adorei a crônica!
E continue escrevendo sempre...os atendimentos que se virem com o prazo depois...hehehe.
Beijooos